IoT

MQTT – Protocolos para IoT

O MQTT não é tão sofisticado quanto o AMQP (Advanced Message Queuing Protocol), que possui mais funcionalidades e cenários de uso, mas é simples o suficiente sem deixar de contemplar características como segurança, qualidade de serviço e facilidade de implementação. Essas características fazem do MQTT um bom candidato para implementações e usos em sistemas embarcados, embora a competição seja acirrada.

Neste artigo discutiremos um pouco sobre o MQTT, explicando o seu funcionamento e aplicações.

Conhecendo o MQTT

Por que o MQTT é um dos melhores protocolos de rede para a Internet das Coisas?

Para os dispositivos de Internet das Coisas (IoT), a conexão com a Internet é um requisito. A conexão com a Internet permite que os dispositivos trabalhem entre si e com serviços de backend. O protocolo de rede subjacente da Internet é o TCP/IP. Desenvolvido com base na pilha TCP/IP, o MQTT (Message Queue Telemetry Transport) tornou-se o padrão para comunicações de IoT.

O MQTT foi inventado e desenvolvido inicialmente pela IBM no final dos anos 90. Sua aplicação original era vincular sensores em pipelines de petróleo a satélites. Como seu nome sugere, ele é um protocolo de mensagem com suporte para a comunicação assíncrona entre as partes. Um protocolo de sistema de mensagens assíncrono desacopla o emissor e o receptor da mensagem tanto no espaço quanto no tempo e, portanto, é escalável em ambientes de rede que não são confiáveis. Apesar de seu nome, ele não tem nada a ver com filas de mensagens, na verdade, ele usa um modelo de publicação e assinatura. No final de 2014, ele se tornou oficialmente um padrão aberto OASIS, com suporte nas linguagens de programação populares, usando diversas implementações de software livre.

Newsletter willianrdg.com.br
Assine a newsletter e receba as atualizações do blog no seu e-mail.